segunda-feira, 30 de junho de 2008

domingo, 29 de junho de 2008

Ser simples ou ser complicado

Ser simples é o oposto de ser complicado. Olhar à nossa volta, olhar para dentro de nós, e conseguirmos que esse olhar não complique situações e vivências, não é fácil. Ser simples é, sem precisar de pensar muito, sem analisar exaustivamente, e sem perdas de tempo inúteis , conseguir chegar a conclusões. Ser simples, é dizer que um pão é um pão, e não que é uma certa quantidade de farinha amassada com água em condições especiais, e depois cozida num forno com uma temperatura x. Os homens são por natureza menos complicados que as mulheres, esse poder de sintetizar ou não a nossa vida nasce connosco, e contra ele é inutil lutar. Há no entanto, situações na vida de cada um de nós, que não são tão lineares assim, que se não pensarmos, repensarmos a voltarmos a pensar, nunca as conseguiremos entender, outras há, que por mais que percamos tempo a analisá-las, serão sempre verdadeiramente incompreensiveis. Quem tem o dom de ser simples, não pensará nelas nem lhes dará relevância, quem não tiver esse dom, possivelmente desperdiçará algum tempo da sua vida a pensar inutilmente. Por isso amigos, para mim, cada um de nós seja homem ou mulher, seja simples ou complicado é o que consegue ser. Não é sermos simples ou complicados que nos dá ou tira valor como seres humanos, o que realmente importa é a capacidade que cada um de nós tem de ser generoso com o próximo, de gostar, de apoiar, de se dar ao outro. É a maior ou menor capacidade que cada um de nós tem de entrega para com o seu semelhante, que mede a nossa grandiosidade, as outras diferenças que existem entre nós são apenas o sal e a pimenta da vida.

sexta-feira, 27 de junho de 2008

Notícia de última hora !


Novo Blog no Bairro.

Link nos Concorrentes da Concorrência

quinta-feira, 26 de junho de 2008

O único dilema que existe na simplezinha vidinha dos gajos

Sexo ou bola?

Estava eu muito bem na minha vidinha, quando me deparo com a seguinte notícia:

"Portugueses preferem praticar sexo a ver futebol"!

Comecei por achar esta história um pouco esquisita, e logo a seguir fiquei fulo!! Achei estranho abordarmos um tema destes de maneira tão leviana. Quer-se dizer, então lançamos um artigo destes e nem sequer consideramos um aspecto que para mim é vital:

É preciso ver qual é o jogo de que estamos a falar!!!! Se falarmos dum qualquer Benfica- Paços de Ferreira... ainda acredito. Agora, dum Sporting- Benfica ou dum Porto-Sporting, ou mesmo um vil Porto-Benfica. por exemplo? Qual é o Português que no dia de jogos entre grandes se põe a brincar às virilidades fúteis? Apresentem-me um! E assim que mo apresentarem, eu digo-lhe na cara:
"Este homem não é português carago!!!". Se o Eusébio estivesse morto, daria voltas no túmulo!!! Mas andou o homem a derramar lágrimas em vão, por terras de sua majestade? Quantos portugueses já foram filmados a chorar depois de perderem no sexo??? É isto que eu quero saber... Bolas, ao menos no futebol nós sabemos que somos bons!!!!

Depois pensei, "Mas será que é uma questão de prática? Uma cena do género, gostamos mais de fazer do que ver?"? É que se assim é, a notícia para ser idónea deveria ser:

Portugueses preferem praticar Futebol a ver sexo!!

Isso sim, daria uma ideia acertada da correlação de forças entre os dois factores!!!

P.S. Este texto foi escrito por um gajo - Vantunes mas poderia ter sido escrito por qualquer um humano do género masculino.

QUE TRISTEZA !!!! É QUE ISTO É TÃO TRISTE TÃO TRISTE, QUE SÓ NÃO CHORO PORQUE NÃO ME APETECE, PORQUE SE ME APETECESSE, BEM PODEM TER A CERTEZA QUE CHORAVA


José Adriano Rodrigues Barata-Moura (Lisboa, 26 de Junho de 1948) é um filósofo, escritor e cantor português, que ocupou entre Maio de 1998 e Maio de 2006 o cargo de reitor da Universidade de Lisboa.

Barata Moura estreou-se no canto de intervenção política, em 1970, no programa televisivo Zip Zip, cantando em francês uma balada "Ballade du Bidonville", cuja versão em português foi proibida pela censura de Marcelo Caetano, sendo, então, também, o autor de canções revolucionárias, relacionadas com a Liberdade e a Revolução do 25 de Abril. Editou cerca de 20 discos

Vamos brincar à caridadezinha

Esquerda e Direita Beata partilham algo: o paternalismo em relação ao pobre. A boa vontade, das brigadas da Verdade e da Bondade, precisa de uma coisa: que o pobre continue… pobre. A intenção não é erradicar a pobreza; o objectivo é fazer com que o pobre não sofra... tanto. A intenção não é resolver a causa do problema.
Henrique Raposo a propósito de Muhammad Yunus.


quarta-feira, 25 de junho de 2008

Notícia de última hora !



Novo Blog nas redondezas. Link nos Concorrentes da Concorrência

Porque recordar também é viver

Antoni Placid Gaudí i Cornet (Reus ou Riudoms, 25 de junho de 1852Barcelona, 10 de junho de 1926) foi um arquitecto catalão, um dos símbolos da cidade de Barcelona, onde se educou e passou grande parte da vida. Aparece como um arquitecto de novas concepções plásticas ligado ao
modernismo catalão (a variante local da art nouveau). video

terça-feira, 24 de junho de 2008

Os Ass a Fora quando falam têm sempre razão


Oiçam com atenção :

Som, porque é que esta coisa não está (?), som, ah, estalinhos, estalinhos , ah, ça (?).

video

P.S.:
Charrazito, com provas desta natureza não há defesa possível .
União Europeia levanta sanções contra Cuba
Público.pt - 12 horas atrás
A União Europeia aprovou hoje oficialmente o levantamento das sanções ainda em vigor contra Cuba, numa iniciativa destinada a promover um diálogo “crítico” com o regime castrista.
Os 27 esperam através do diálogo conseguir convencer Raul Castro a aceitar reformas democráticas.


Será que Cuba deixará de ter esta imagem. Será que Cuba ao deixar de ter um regime ditatorial irá perder a sua magia ?
Liberdade de expressão e melhores condições de vida são fundamentais para este País, o preço a pagar por eles será talvez alto de mais.

Hasta siempre comandante Che Guevara

Vienes quemando la brisa
Con soles de primavera
Para plantar la bandera
Con la luz de tu sonrisa.

Tu amor revolucionario
Te conduce a nueva empresa
Donde esperan la firmeza
De tu brazo libertario.

Aquí se queda la clara,
La entrañable transparencia,
De tu querida presencia
Comandante Che Guevara

domingo, 22 de junho de 2008

video

Aniversário do JC.

Com quem podemos contar ?

Aceitam-se inscrições. Aceitam-se propostas de ementa. Aceita-se mão de obra gratuita. Aceita--se boa disposição e amizade .

sábado, 21 de junho de 2008

RCTrio - finalmente em video

O RCTrio em plena actuação. E desta vez com uma grande novidade: um coro de gajas ! Depois desta performance A Guerra nunca mais será A Guerra ! Ass a Fora no seu melhor (será ?).

video

(Sem a letra à nossa frente muito fizemos nós. Pagam mal e não dão condições ao pessoal, depois queixam-se que o staff não está à altura dos músicos)

sexta-feira, 20 de junho de 2008

Confrontada com pessoas, com acções, ou com situações, penso sempre pelo lado positivo. Cada um com que me cruzo é à partida uma pessoa integra, com carácter, merecedora da minha amizade. Vou conhecendo-a aos poucos, vou sabendo mais dela com o passar do tempo, sempre respeitando e aprendendo com as diferenças, porque ninguém é igual, ninguém pensa igual, e são essas diferenças que dão colorido à nossa vida, e que nos enriquecem a alma. Pode haver maneiras de agir com que não concordo, mas nunca ponho em dúvida a boa fé de quem as pratica. Em suma, acredito que cada individuo com que me cruzo, é alguém em quem posso confiar. Já por várias vezes na vida me dei conta de que errei, que afinal este ou aquela não eram aquilo que eu pensava que fossem, demoro sempre muito tempo a chegar a essa conclusão, porque para cada acção para cada acto, que me deveriam ver imediatamente a realidade, há sempre uma desculpa que invento para o justificar. Não julguem que me importo de ser assim, de maneira nenhuma, e mesmo que me importasse também não haveria nada a fazer, porque se tivesse de aprender a ser de outra maneira, com as decepções que tenho tido, com certeza que já teria aprendido. Gosto de acreditar que posso confiar no meu semelhante, que posso gostar sem reservas, que todos são merecedoras da minha amizade, se chegar mais tarde à conclusão de que me enganei paciência, os enganos também fazem parte da vida.

O que é realmente urgente




Urgentemente




É urgente o amor.
É urgente um barco no mar.


É urgente destruir certas palavras,
ódio, solidão e crueldade,
alguns lamentos,
muitas espadas.

É urgente inventar alegria,
multiplicar os beijos, as searas,
é urgente descobrir rosas e rios
e manhãs claras.

Cai o silêncio nos ombros e a luz
impura, até doer.
É urgente o amor, é urgente
permanecer.

Eugénio De Andrade

quinta-feira, 19 de junho de 2008

Não percebo nada de psicologia, aliás há muitas outras coisas que gostaria de perceber e não percebo. Não percebo de psicologia mas sei que sou um pouco louca. Louca naquele sentido de ser diferente, de ter atitudes que me dão gozo mas que a muitos outros podem parecer não estarem dentro dos parâmetros da normalidade. Gosto desta minha loucura, é ela que me dá forças para viver o dia a dia. Quando eu não consigo fazer ou dizer as minhas pequenas loucuras, é muito mau sinal. Nesses momentos se conseguisse fugiria de mim própria. Sei que sou de extremos, sei que meio termo é um sentimento que não se encaixa com a minha maneira de ser. Sei que se estiver feliz então estarei extraordinariamente feliz, e a minha tristeza será sempre uma profunda tristeza. São pequenas coisas, pequenos sinais, pequenos gestos, palavras simples que me fazem passar de um estado para o outro e não consigo fazer nada para o evitar. Gosto de rir, de estar feliz, gostava de conseguir alcançar o meio termo que possivelmente será o que as pessoas normais consideram que está dentro da normalidade, em vez de num segundo ficar lá no fundo, tão no fundo, por uma palavra por um gesto, sem importância para os outros, mas de tanta importância para mim.

O Chico faz anos hoje. Parabéns ao Chico.


Francisco Buarque de Hollanda, conhecido como Chico Buarque (Rio de Janeiro, 19 de Junho de 1944) é um músico, dramaturgo e escritor brasileiro.

Chico de Hollanda, de aqui e de algures "Parceiro de euforias e desventuras, amigo de todos os segundos, generosidade sistemática, silêncios eloquentes, palavras cirúrgicas, humor afiado, serenas firmezas, traquinas, as notas na polpa dos dedos, o verbo vadiando na ponta da língua - tudo à flor do coração, em carne viva... Cavalo de sambistas, alquimistas, mundanas, olhos roucos, suspiros nómadas, a alma à deriva, Chico Buarque não existe, é uma ficção - saibam. Inventado porque necessário, vital, sem o qual o Brasil seria mais pobre, estaria mais vazio, sem semana, sem tijolo, sem desenho, sem construção."
Ruy Guerra (cineasta e escritor)

Bastava aparecer na censura uma música de sua autoria para os censores tentarem a transformação para peritos - Chico escondia a revolução entre as linhas de suas letras. Foi perseguido a cada passo, teve os seus microfones desligados durante um show com Gil, quando foi apresentar Cálice ao público - mas tal qual Julinho, escorregava pelas mãos da ditadura usando tão somente sua genialidade.

Modelador de palavras, tem o dom único de descrever sentimentos como quem vive cada dor ou alegria - fala por nós - e não há quem, alguma vez na vida, ao ouvir as suas composições, não tenha jurado que Chico esteve por um momento na sua alma para ter conseguido descrever a emoção indescritível.
Carô Murgel (escritor)


quarta-feira, 18 de junho de 2008

Ouvi hoje de manhã na rádio esta notícia:

Um empregado de um posto de combustível no Norte do País, de 70 anos de idade, ao ser ameaçado por dois assaltantes armados, defende-se com um agrafador. Atira o agrafador à cabeça de um dos assaltantes que cai para o chão, e aproveitando a confusão instalada luta com o outro. Ambos os assaltantes foram presos e o empregado regressou a casa depois de ter sido tratado no Hospital local sem apresentar ferimentos de gravidade.


Fiquei a pensar no assunto e cheguei ás seguintes questões:
  • A nossa Polícia aconselha-nos a não oferecer resistência em caso de assalto, estará certa ou errada ?
  • Devido ao empregado da gasolineira ter uma idade avançada estará senil ? Ou estará pura e simplesmente marimbando-se para a vida ? Será um herói, um verdadeiro descendente de D. Afonso Henriques ? Será que não é deste planeta ?
  • O agrafador em causa seria um agrafador especial ? Será que se começarmos a andar munidos de um agrafador no bolso conseguiremos deter todos os malfeitores ?
Vou tentar saber a resposta para todas as minhas dúvidas, entretanto espero não ser assaltada !

terça-feira, 17 de junho de 2008

Agradecimento



Ficámos super sensibilizadas pela vossa presença no meu humilde blog, Sr. Coisinho e Sr. Tóne, aproveitamos para vos fazer um pedido, uma vez que só os Senhores sentiram na pele o final desta história, só vocês podem descrever esse final com a veracidade que gostaríamos que o mesmo tivesse, assim esperamos que em parceria com o Sr. Gaitinhas e o Sr. Pintas Malaico nos contem o que realmente aconteceu a seguir.

Gratas desde já,

Atentamente,
A Concorrência e Misteriosa Lua

Tóne - IV episódio

Gaitinhas - é giraça, hem meus, ena pá bruta mini-saia, grandas legs, nunca tinha visto umas assim meus .
Pintas Malaico - e a tatuagem ? vocês já me puseram os olhos naquilo ? é uma carpa mamona gigante ou o caraças, se não é pelo menos parece, e vai mesmo até onde aqui o Ge gosta que as coisas acabem, he he he .
Tóne - Não posso, a gaja sabe assobiar, Cindy, o Cindy toca-me aqui com esses dedos todos lambuzados, que se há gaja que me tire do sério é gaja que assobia como tu, ó boazona.
Gaitinhas - Vamos ter que nos organizar e passar à acção se não o Coisinho acaba a actuação e nós ficamos a olhar para as estrelas do céu, ou pior que isso a contar as tábuas do tecto.
Pintas Malaico - olha é o monhé do quer fró, embutes comprar o ramo todo e oferecê-lo ás gajas.
Tóne - Dêm corda aos sapatos meus, tirem os ovos debaixo dos braços ou o caraças, se não o careca manda-chuva adianta-se-nos e nós ficamos a ver os barcos a irem de saída.
Gaitinhas - Embutes pedir o intervalo ao gajo que vai dar os olhos à outra ? Assim pode ser que as gajas vão fumar, e o pessoal faz-lhe o cerco já ali ao pé do assador das bifanas. Intervalo. Intervalo !
Pintas Malaico - Olha resultou ! As gajas alevantaram-se, tragam as frós e embutes fazermo-nos às febras.
Tóne- Que é esta cena meus ? Então o Coisinho também vai atrás delas ou estou a ver tudo turvo ? Já me está a cheirar mal, quem é que se abriu ó grandas javardos, se vão para o pé das gajas com esses vapores as gajas dão logo de frosques, vamos lá a ver se atinam, não podem guardar as bujardas para quando forem à pesca, ou lá para casa, não me digam que têm o olho relaxado.

Com um brilhozinho nos olhos os nossos três amigos conseguem chegar finalmente juntos das três boazonas. Embora estas já estivessem em amena cavaqueira com o Coisinho, nem isso os fez parar, eles eram lá gajos para desistir de febras daquela qualidade, e além disso tinham-nas fisgado primeiro, antes o poço da morte que tal sorte.

segunda-feira, 16 de junho de 2008

Tóne - 2º fascículo

"Ganda corte, finalmente chegaste, já estava a ficar traumatiziado com tanta demora" grita subitamente o Tóne ao avistar alguém que irrompera pela Taverna com ar de quem tinha sido atropelado por um comboio. ( Para melhor compreensão do texto e para que num futuro próximo o mesmo possa ser teatralizado, ele passará a diálogo, a partir de agora)

Pintas Malaico: "Meu, nem sabes o que me aconteceu",
Tóne :"Não sei nem quero saber, o importante agora é engatarmos as boazonas"
Pintas Malaico: " Onde é que elas estão? vinde, vinde a mim coisinhas boas, olha aqui para mim tão lindoso"
Tóne: "Calminha engatatudo olha que a boazuda é para mim, tu ficas com a outra e já estás com sorte de haver alguma de sobra"
Pintas Malaico:" ? Eu fico com aquela porcaria ? Se eu soubesse que era para isto, não tinha vindo, olha para ele, assim como assim ficava com a gaja lá de casa, ao menos essa já conhece as tácticas que dão gozo aqui ao Ge"
Tóne: "Ai ele é isso granda sacana , pois digo-te já se queres a feiosa muita bem se não queres dá de frosques que eu vou ligar ao meu amigo do rabo de cavalo, pode ser ser que ele não seja tão esquisito como tu, ó esquisitinho, até parece que o que tens lá em casa é uma granda Cinderela, ó Gaudêncio . Dá de frosques que nem te posso olhar para a focinheira, tchau, adieus, arriverdeci, vai pela sombra ó cara de trolha da Areosa"

Tóne ainda não refeito com a atitude do amigalhaço, pega no telemóvel e liga para o Gaitinhas, esperando que o seu grande amigo não lhe negue a ajuda desejada, e ao mesmo tempo pensando que se o gajo do rabo de cavalo não estiver com grande vontade de farra, a única hipótese que terá será dar o tratamento ás duas boazudas sozinho, parecendo-lhe no entanto tarefa árdua demais para um gajo só. Em último recurso passaria pela Farmácia mais próxima e compraria os milagrosos comprimidos azuis, aguado é que não podia ficar. O tanas, mais a mais a louraça não deixava de o galar. Ai coisa boa aguenta-me só mais um coche que tu e eu queremos o mesmo filha, tu tem-me calma minha rapsódia em sol maior. Ainda mal tinha desligado da conversa com o Gaitinhas, Tóne dá-se conta de que alguém se aproximava, olhando para trás diz espantado :
Tóne: "Então arrependeste-te de dar de frosques ó guerreiro de Malaca ?
Pintas Malaico: "É que quando passei por ela a gaja alevantou-se meu, e aí é que eu vi, a gaja pode ser feiosa mas tem uma granda bunda, a padaria lá de casa não tem esta qualidade, nem nada que se pareça, e gajo tu sabes bem como eu sou vidrado em bundas"
Tóne: "pois mas agora já não dá, devias ter visto a bunda da gaja antes, agora já chamei o Gaitinhas e o gajo vem aí a abrir, com o bujon, todo entusiasmado com a cena"
Pintas Malaico: "Quero lá saber meu, eu estou primeiro, desenrasca-te que eu não tenho nada a ver com as tuas combinações, era o que mais faltava, a feiosa é minha e acabou, olha e se te doer alguma parte do corpo... vai ao médico !"


(continua ...)

Roda o palco !

Mais conversa de gajo


São muitíssimo bem pagos para jogar, têm o apoio incondicional de todos os Portugueses, de uma maneira que quase toca o ridículo, então porque é que o Treinador os poupa. Coitados, estão bué de cansados por fazerem um jogo de 8 em 8 dias ? Nós não ganhamos o que eles ganham, poucos ou nenhuns nos apoiam, e que remédio temos se não esforçar-nos e dar-mos o nosso melhor. Jogo de caca, jogo para encher calendário, para poupar os titulares. É certo que os que jogaram, se deviam ter empenhado mais, porque é que não o fizeram? Tiveram a sua hipótese de brilhar e limitaram-se a desperdiça-la. Quaresma, Valdemar, Helder Postiga são jogadores que nos seus clubes fazem bem melhor do que fizeram ontem. De destacar ainda a arbitragem que não deixou ninguém jogar. Cinquenta e tal faltas num jogo é obra, os gajos estavam mesmo atentos ás jogadas. Senhores jogadores da Selecção Nacional os portugueses merecem mais empenho de todos. Assim não vamos lá !

domingo, 15 de junho de 2008

Mais um dia de pesca !

O dia amanheceu com profusão de cores e cheiros. Cheiros já conhecidos de outras lides, cores em cambiantes de verdes , azuis e dourados que nos faziam acreditar que seria mais um dia em que a natureza se sobreporia ao betão, trazendo-nos consequentemente aquela letargia do corpo e aquela limpeza da alma, que nos faz sentir tão bem. Contrariamente ao que tínhamos imaginado o calor não se fez sentir de modo a prejudicar a nossa terapia anti-stress. A amenidade da temperatura ambiente levou-nos a mim e à amiguita Fatela a experimentar as águas da barragem, tendo as duas em uníssono chegado à alegre conclusão de que água tão quentinha como aquela nem no Algarve. ZA e JC descomprimiram como já é habitual, tendo a quantidade de peixe pescado (12 kg) ajudado na terapia da descompressão do corpo e da alma. O almoço foi desta vez deglutido com o conforto merecido, com mesa e cadeiras, e as enguias e o choco frito estavam apetitosos o suficiente, para justificarem a fama da tasca do Sr. Zé. A Fatela conseguiu finalmente dominar na perfeição a técnica do assobio, tendo assim garantido a sua tão desejada viagem a Madrid, já no próximo mês de Julho, para ver o concerto da Shakira. Regressámos a casa cansados e felizes, esperando ansiosamente o dia da próxima pescaria.

À hora combinada fizemo-nos à estrada rumo a Santa Susana. Sempre atentos a carros suspeitos, tentámos não exceder os limites de velocidade. Chegados à barragem, demos conta que o nosso local habitual de pescaria já estava ocupado, o que nos levou a balbuciar inúmeras blasfémias tipo filhos da ... e outras dentro do mesmo género. Depois de escolhido o melhor local para o fim que nos tinha levado até lá, dispusemos tacticamente cadeiras e chapéus de sol, de modo a nos sentirmos bem confortáveis. O calor não era demasiado, e as carpas e os abletes corresponderam ao nosso chamamento. Para aproveitar bem o pouco tempo que tínhamos para a pesca, mandámos as gajas comprar as belas das enguias e do choco frito quando sentimos a barriga a dar horas, tendo o repasto sido a contento de todos. Os peixes começaram a picar mais amiúde depois de almoço como já é habitual, e o resultado da pescaria foi dentro das expectativas. Não fossem os fulanos das motos de água, que teimosamente passaram o dia todo bem junto de nós, o dia teria sido perfeito. Na próxima vez, teremos de escolher outro local para abancarmos, porque a poluição sonora e ambiental das motos de água, obrigou-nos a ambicionar inúmeras vezes durante o dia, termos ido apetrechados de uma fisga, utensílio que não nos esqueceremos de levar de próxima vez, estando nós convictos de que se os gajos levarem com uma bela de uma pedrada nos cornos, com certeza deixarão de nos estragar o dia. Para o dia ter sido perfeito, só faltou mesmo a visualização de resmas de gajas boas, mas olha que se lixe, oportunidades para esse tipo de pesca não nos faltarão com certeza.


quinta-feira, 12 de junho de 2008

quarta-feira, 11 de junho de 2008

Gosto de ti Amor. Gosto de ti há muitos, muitos anos. As relações tendem a alterar-se com o passar dos anos e com o crescimento individual de cada um. Conheci-te tinha 16 anos, crescemos juntos, como seres humanos virados para os mesmo ideais, para a mesma forma de estar na vida. A nossa relação, por muito estranho que possa parecer, mantém a intensidade que tinha quando descobrimos que gostávamos um do outro. Gosto de tudo em ti, do teu sentido de humor, da tua entrega ao próximo, da tua descomplicação do que para mim às vezes é complicado, e de tantas outras coisas. Quando me dás aquele abraço que só tu sabes dar, a vida torna-se leve, todos os problemas deixam de ter importância. Viciei-me em ti, nas tuas palavras, na tua maneira de ver a vida, no teu corpo, na tua pele. Quando não te tenho a meu lado fico incompleta, falta-me uma parte de mim. Ás vezes a vida trás-nos obstáculos extraordinariamente difíceis de ultrapassar, algumas das vezes a forma de os contornar afigura-se-nos como uma missão impossível, no entanto tu e eu sabemos por experiência própria, que há sempre uma saída. Lembra-te de todas as barreiras que ultrapassamos juntos, e sempre vitoriosos. Tal como eu, tu também sabes, o nosso amor transformou-nos numa dupla invencível, só temos que nos lembrar disso em cada segundo da nossa vida.

terça-feira, 10 de junho de 2008

Gosto de Rui Veloso. Mais um fenómeno que não consigo explicar, só sei que tudo o que ele canta eu gosto de ouvir. Ouvi pela primeira vez esta canção há 2 ou 3 dias e acho-a linda. Chama-se Intervalo e faz parte do último cd da banda Perfume. Pesquisei na Net os nomes dos autores da letra e da música mas não consegui descobrir quem eram. Gosto de tudo, possivelmente porque está lá o Rui.



Vida em câmara lenta,
Oito ou oitenta,
Sinto que vou emergir,
Já sei de cor todas as canções de amor,
Para a conquista partir.

Diz que tenho sal,
Não me deixes mal,
Não me deixes…

No livro que eu não li,
No filme que eu não vi,
Na foto onde eu não entrei,
Notícia do jornal
O quadro minimal… Sou eu…

Vida à média rés,
Levanta os pés
Não vás em futebois, apesar…
Do intervalo, que é quando eu falo,
Para não me incomodar.

Diz que tenho sal,
Não me deixes mal,
Não me deixes…

No livro que eu não li,
No filme que eu não vi,
Na foto onde eu não entrei,
Notícia do jornal
O quadro minimal… Sou eu…

segunda-feira, 9 de junho de 2008

A nossa vida muda de segundo para segundo, nada é permanente. Já por várias vezes pensei que poderei um dia ter de fazer a opção de deixar de escrever, de por um fim neste meu blog, de deixar de comentar nos vossos, de desaparecer deste cantinho mágico onde a amizade toma proporções gigantescas. Vêm-me sempre as lágrimas aos olhos, e dá-me aquele aperto na garganta e no peito quando penso que algum dia terei de fazer essa opção. Vai ser para mim muito, mas mesmo muito dificil sobreviver, se algum dia tiver de fazer essa escolha, no entanto com certeza sobreviverei, penso eu, a saída será ficar sempre por aqui, invisivel, a sentir-vos sem falar, sem vos dizer o que penso ou o que sinto, mas sempre aqui por trás do pano, continuando a gostar de vocês como gosto. Vocês deixarão de me ver, de me apoiar, deixaremos de brincar juntos, mas eu sentirei sempre do lado de cá, sem vocês darem conta, tudo o que vocês sentirem. A minha amizade por vocês é e será sempre um sentimento inabalável.

domingo, 8 de junho de 2008


Andreia, Carol, Dionisio, Fátima, Isabel, Joana, João, Patricia, Rogério e Zé, a nossa complicada missão teve um final feliz. A Patrícia gostou mesmo da nossa prenda !

sexta-feira, 6 de junho de 2008


Para ti amiga Patrícia.
Muitos parabéns Linda !
Um dia repleto de sensações maravilhosas.

Durante a nossa vida:

Conhecemos pessoas que vêm e que ficam,
Outras que, vêm e passam.
Existem aquelas que,
Vêm, ficam e depois de algum tempo se vão.
Mas existem aquelas que vêm e se vão com uma enorme vontade de ficar...

Charles Chaplin

quinta-feira, 5 de junho de 2008

A verdadeira história das carpas mamonas

Escutai agora Senhores esta história, que acontecerá daqui a muitos, muitos anos, num futuro longínquo, quando no Mundo não existirem mais peixes em liberdade, e todos eles estejam presos em viveiros onde serão gerados, criados e alimentados, de modo a satisfazer as necessidades dos humanos, sem ninguém atender aos seus direitos, necessidades e convicções. Haverá então uma revolta que ficará conhecida como "A revolta das carpas mamonas", e é precisamente essa história que vos vou tentar contar a seguir.

Tendo os peixes em conversa uns com os outros, tido conhecimento que os seus antepassados, ao contrário deles, viviam em lindos mares, lagos, albufeiras e rios onde nadavam livremente, sem redes e muros que os prendessem, onde se amavam profundamente, que fruto desse amor nasciam pequenitos peixitos a quem também amavam e por quem eram amados, e que se alimentavam daquilo que conseguissem com o seu trabalho pescar, e não daquilo que lhes era oferecido sem necessidade de qualquer esforço, resolveram unir-se todos, e liderados por um grupo de carpas, que devido a serem mamonas, eram tratadas de maneira diferente pelos humanos, que as acariciavam e lhes davam liberdade que aos outros peixes era negada, rebentaram redes e muros e foram à descoberta do mundo dos seus antepassados, de que tanto já tinham ouvido falar. Maravilharam-se com o que descobriram, extasiaram-se com as cores dos seus novos mundos, amaram-se uns aos outros com uma intensidade que quase os enlouquecia, e experimentaram gostos e cheiros que lhes provocaram êxtases de sensações.

Mas nada dura para sempre, e os humanos desabituados de pescar, começaram a sentir necessidade de incluir peixe na sua alimentação. Assim, depois de muita pesquisa e discussão decidiram procurar os últimos pescadores de que tinham conhecimento: ZA e JC. Pescadores cujos feitos eram narrados quase como fábulas ZA e JC , dispuseram-se então a com sua imensa sabedoria sobre a antiga arte da pesca, ajudar os outros humanos. Munidos do que era necessário para levar a bom termo a sua tarefa, dirigiram-se para uma barragem e aí começaram a tentar convencer os peixes de que a sua única hipótese de sobrevivência seria voltarem para a prisão dos seus viveiros.

É nesse momento que se dá o grande milagre. Do meio da água emerge uma linda carpa mamona, com longos cabelos de um louro com reflexos simultâneos de Sol e luar, com um corpo divinamente curvilíneo, e que com os seus lindos olhos da cor do céu, olha fixamente nos olhos de ZA, e sem desviar o olhar suplica aos dois pescadores que os deixem continuar a viver em liberdade. ZA, que no instante em que vislumbrou a carpa imediatamente se apaixonou por ela, e JC, cujo maior sonho da sua vida sempre fora descobrir porque é que as carpas eram denominadas de mamonas, e via agora a hipótese de ver o seu sonho realizado, imediatamente chegaram a acordo.

Mentiram aos outros humanos inventando uma rebuscada história em que os peixes já não eram iguais aos do passado, não havendo assim qualquer hipótese de os capturar, e compraram uma casita mesmo junto ás margens da barragem, para onde foram viver e onde foram felizes para sempre, eles, os outros peixes e especialmente as carpas mamonas que passaram a ter um novo componente na sua alimentação, componente esse que ZA e JC lhe ofereciam diariamente, que lhes proporcionava prazeres quase divinais, que viciava tudo e todos, e sem o qual já não conseguiam viver.

quarta-feira, 4 de junho de 2008

A posição da mamada. O tempo de mamada faz diferença?

Para que o leite saia adequadamente, outro cuidado importante é garantir que a mulher esteja bem acomodada, na posição mais confortável que encontrar. Isso porque a tensão muscular da mulher é um factor que tende a atrapalhar. "Se a mulher está muito tensa, o leite pode demorar a descer", ensina a nutricionista Tessa Guimarães, do Hospital da Criança Santo Antônio. E mais: a posição recomendada é coloca-lo com a barriga encostada na barriga da mulher, o que torna a mamada mais agradável para ele.

Sim, o tempo de mamada faz muita diferença. Existem dois tipos desse leite branco: o anterior, produzido no intervalo entre uma mamada e outra, e o posterior, fabricado durante a mamada, alguns minutos após a sucção. Por isso, se o tempo de mamada for muito curto, o leite posterior não é produzido. O ideal é que a mamada dure de 15 a 20 minutos em cada peito. O leite posterior é importante porque tem maior concentração de gordura que o anterior e ajuda a ganhar peso.

Para quem anda à procura de mama !

Os Incorrigiveis - Ricardo Araujo Pereira - Deixa - me Mamar


terça-feira, 3 de junho de 2008

Bora cantar os parabéns ?



Jorge Manuel d’Abreu Palma nasceu em Lisboa, a 4 de Junho de 1950, e com apenas seis anos, ao mesmo tempo que aprendia a ler e a escrever, iniciou os seus estudos de piano, realizando, com apenas oito anos, a sua primeira audição no Conservatório Nacional.




"Podem falar, podem falar
que o meu lugar é andar e o meu passo é correr

de vez em quando a cantar, de vez em quando a sofrer
podem falar, podem falar
mas estão a perder tempo
se pensam que um dia me hão-de amarrar"




"Em Jorge Palma sobressai a capacidade de redescobrir a música, de criar uma forma atraente, de exibir sentimentos, explorar emoções, e cativar sempre mais gente, a acompanhar a sua solidão junto ao piano, num misto de querer estar só, mas com todos os outros".


Atrás dos Tempos
(letra e música de Fausto Bordalo Dias)

Eu pego na minha viola
E canto assim
Esta vida

A correr
Eu sei que é pouco e não consola
Nem cozido à portuguesa há sequer
Quem canta sempre se levanta
Calados é que podemos cair
Com o vinho molha-se a garganta
Se a lua nova está para subir
Que atrás dos tempos vêm tempos
E outros tempos hão-de vir
Eu sei de histórias verdadeiras
Umas belas
Outras tristes de assombrar
Do marinheiro morto em terra
Em luta por melhor vida no mar
Da velha criada despedida
Que enlouqueceu e se pôs a cantar
E do trapeiro da avenida
Mal dormido se pôs a ouvir
Que atrás dos tempos vêm tempos
E outros tempos hão-de vir
Sei de vitórias e derrotas
Nesta luta que se há-de vencer
Se quem trabalha não esgosta
No seu salário sempre a descer
Olha a polícia
Olha o talher
Olha o preço da vida a subir
Mas quem mal faz
Por mal espere
Se o tirano fez a festa
P'ra fugir
Que atrás dos tempos vêm tempos
E outros tempos hão-de vir
Mas esse tempo que há-de vir
Não se espera como a noite
Espera o dia
Nasce da força que transpira
De braços e pernas em harmonia
Já basta tanta desgraça
Que a gente tem no peito
A cair
Não é do povo
Nem da raça
Mas do modo como vês o porvir
Que atrás dos tempos vêm tempos
E outros tempos hão-de vir

Quereis festa ? Aqui vai ...


SONETO DE TODOS OS CORNOS

Não lamentes, Alcino, o teu estado,
Corno tem sido muita gente boa;
Corníssimos fidalgos tem Lisboa,
Milhões de vezes cornos têm reinado.

Siqueu foi corno, e corno de um soldado:
Marco Antonio por corno perdeu a c'roa;
Anfitrião com toda a sua proa
Na Fábula não passa por honrado;

Um rei Fernando foi cabrão famoso
(Segundo a antiga letra da gazeta)
E entre mil cornos expirou vaidoso;

Tudo no mundo é sujeito à greta:
Não fiques mais, Alcino, duvidoso
Que isto de ser corno é tudo peta.


SONETO DA CÓPULA CANINA

Quando no estado natural vivia
Metida pelo mato a espécie humana,
Ai da gentil menina desumana,
Que à força a greta virginal abria!

Entrou o estado social um dia;
Manda a lei que o irmão não foda a mana,
É crime até chuchar uma sacana,
E pesa a excomunhão na sodomia:

Quanto, lascivos cães, sois mais ditosos!
Se na igreja gostais de uma cachorra,
Lá mesmo, ante o altar, fodeis gostosos:

Enquanto a linda moça, feita zorra,
Voltando a custo os olhos voluptuosos,
Põe no altar a vista, a idéia em porra.

segunda-feira, 2 de junho de 2008

Não resisti a partilhar com vocês esta poesia alentejana , como foi chamada por quem a mandou por mail.


Tava eu tirando moncos
Cá da cana do nariz
Enquanto fazia uma mija
Assim tipo... chafariz


Tinha a bexiga tã chêia
Que fiquê lá uma hora
Quando m' assomê em volta
Tinha-s'ido tudo embora


Sacudi o 'coiso e tal'
Enquanto coçava a bilha
De tal manêra atascado
C'o entalê na braguilha

Tirê as botas do lodo
Que fizera na mijada
Sacudi tamém as calças
sempre com ela entalada

Pedi ajuda à Ti Micas
Que cerca dali morava
Mas depilou-me os tomates
Ca força com c'a puxava

Ensanguentado da pila
Fui aos tombos pelo monti
Vomitando quasi as tripas
Nã sêi se queres que te conti

Comera dôis pães de quilo
C´um garrafão p'rájudari
Nâ admira ter tado
Três horas a vomitari

Detê-me na palha fresca
Para ver se descansava
Enterrê-me logo em bosta
Da vaca c'ali pastava

foi assim qu'essa tarde
conheci um caracoli
Dêtados os dois na palha
os cornos secando ao soli

domingo, 1 de junho de 2008


No meu perfil menciono que a minha escritora favorita é Isabel Allende. Os seus livros levam-me a lugares que gosto de imaginar, as suas personagens são deliciosamente cúmplices de mim, a intensidade do que é escrito faz-me não conseguir parar de ler até chegar ao fim de cada história. Isabel Allende faz-me ficar sempre à espera de um próximo encontro, para novamente voar com ela para terras, pessoas e histórias tão distantes e no entanto tão próximas de mim.

Excertos extraidos do livro Paula de Isabel Allende

"Silêncio antes de nascer, silêncio depois da morte, a vida é um mero ruído entre dois insondáveis silêncios."



"Os filhos, como os livros, são viagens ao interior de nós próprios, nas quais o corpo, a mente e a alma mudam de direcção, regressam ao próprio centro de existência"

"A mente selecciona, exagera, atraiçoa, os acontecimentos esfumam-se, as pessoas esquecem-se e, no fim, resta apenas o trajecto da alma, esses escassos momentos de revelação do espírito. Não interessa o que me aconteceu, mas sim as cicatrizes que me marcam e distinguem"


Excertos extraidos do livro Eva Luna de Isabel Allende

"... a realidade não é apenas o que se vê à superficie, tem também uma dimensão mágica e se alguém o deseja veemente é legítimo que a exagere e lhe dê uma cor para que a passagem por esta vida não seja tão aborrecida"




"..., deixei de examinar-me ao espelho para me comparar com as mulheres perfeitas do cinema e das revistas e decidi que era bela pela simples razão de que o desejava ser..."